Os três critérios de valoração de uma obra de arte contemporânea – qualidade, reputação e preço – são medições intangíveis e subjetivas que podem mudar da noite para o dia. Então, como os especialistas chegam a seus próprios julgamentos de qualidade? Que atributos ou realizações distinguem um artista de classe mundial de um expoente mediano? Com que rapidez os novos trabalhos são apreciados e seus preços de mercado são apropriados?

Não há respostas prontas aqui. Cabe aos indivíduos fazerem seus próprios deveres de casa. Na busca por pistas surgiram as ferramentas de avaliação profissional (tanto online quanto impressas), podem fornecer informações essenciais, conhecimento e orientação nas seguintes áreas:

  1. Informações: notícias e fatos sobre o mercado de arte atual
  2. Reputação: rankings que medem a posição atual de artistas por sistemas de pontuação
  3. Preço: banco de dados com resultados de leilões e hierarquias de preços de artistas contemporâneos.

As ferramentas de avaliação mais importantes: notícias de arte, rankings de artistas, bancos de dados de preços.

 


 

Qualidade:

Uma obra de arte contemporânea não é como um carro novo ou máquina de lavar. Não pode ser testada, revisada em relação aos concorrentes ou referência de qualidade. A multiplicidade de fatores envolvidos na determinação de seu valor (muitos dos quais são subjetivos) tornam o julgamento e a orientação de especialistas ainda mais necessários.

Aqui, mais uma vez, colecionadores e profissionais do mercado recorrem a uma variedade de serviços e revistas on-line, desde resenhas e notícias do mercado de arte para listas de colecionadores e bancos de dados sobre artistas, obras e colecionadores.

Reputação:

Os rankings de artistas, alguns dos quais existem há décadas, são compilados a partir de uma infinidade de dados. A classificação de um artista é avaliada por meio de uma combinação de pontuações em várias categorias - como participação em exposições importantes, vendas a instituições importantes, resenhas em revistas de arte ou prêmios de arte etc.

Como essas classificações realmente funcionam é, no entanto, um segredo comercial. como os rankings de artistas não divulgam os algoritmos por trás de suas avaliações (raras exceções incluem o Art Report e, em parte, o Kunstkompass).

Preço:

O preço que uma galeria pede por uma determinada obra de arte reflete com precisão o preço final pago? Os preços do mercado primário geralmente não são divulgados, e artistas, colecionadores, museus e galeristas têm suas próprias razões para relutar em revelar os números reais das transações.

No mercado secundário, ao contrário, estão disponíveis informações sobre preços: os resultados dos leilões, que refletem a oferta e a demanda, são bons indicadores para a evolução dos preços de artistas específicos.

Bancos de dados especializados oferecem prontamente essas informações, muitas vezes incluindo curvas de preços e recomendações de compra, de maneira semelhante aos serviços de informações do mercado de ações.

A tabela a seguir funciona como um guia prático para a escolha de fontes de informação sobre arte contemporânea; ela lista ferramentas de avaliação exemplares que podem oferecer ao não especialista algumas orientações muito necessárias para estimar a qualidade, reputação e preços de artistas contemporâneos.

 


 

1. Notícias: informações sobre artistas e mercado de arte.

 

Publicação URL  taxa Conteúdo
Larry's list https://www.larryslist.com/ não** Banco de dados com 3.500 perfis de colecionadores internacionais;
informações adicionais para e sobre colecionadores de arte
Artsy https://www.artsy.net/ não Banco de dados com informações de 40.000 artistas,
mercado de arte online e novidades sobre arte
Independent collector https://independent-collectors.com/ não Site para colecionadores de arte contemporânea; publica a BMW.
Guia de arte com retratos de ca. 250 coleções de arte particulares
Art Tatic https://arttactic.com/ não** Serviço de informação sobre o mercado de arte; publica mercado e relatórios de países, análises individuais sobre artistas específicos, etc.
Artforum https://www.artforum.com/ sim* revista de arte contemporânea norte-americana,
fundada em 1968, 10 edições por ano
Art News https://www.artnews.com/ sim* A principal revista de arte dos EUA,
publicada pela primeira vez em 1922, 4 edições por ano.
Frieze https://www.frieze.com/ sim* mensal de arte contemporânea britânica;
organiza as feiras de arte Frieze em Londres e NY
Art Newspaper https://www.theartnewspaper.com/ sim* Jornal de arte, publicado 9 a 22 vezes por ano
em inglês, italiano, francês, russo e chinês
Parkett https://www.parkettart.com/ sim* Revista inglesa/alemã sobre arte contemporânea;
4 edições por ano, editado em colaboração com artistas
Art - Das Kunstmagazin https://www.art-magazin.de/ sim* Revista mensal de arte alemã com retratos,
resenhas de exposições e um guia sobre eventos artísticos atuais
Monopol https://www.kunstforum.de/ sim* bimestral alemão sobre arte contemporânea,
fundada em 1968, 6 edições por ano
Kunst und Auktionen https://www.weltkunst.de/kunstundauktionen não Revista sobre o mercado de arte e leilões,
editada pelo alemão mensal Die ZEIT; 20 edições por ano

* Apenas o preço da revista / ** acesso limitado gratuito

Esta breve pesquisa representa apenas uma seleção limitada dos muitas revistas de arte e sites dedicados à arte contemporânea.

As informações acima foram cuidadosamente pesquisadas em junho de 2017; não assumimos nenhuma responsabilidade por alterações ou erros editoriais.

Informações, notícias e artigos sobre o mercado de arte também são publicados pelos sites Art Report, ArtReview, Artnet e Blouinartinfo (ver 2. e 3. abaixo).

 


 

2. Reputação: rankings de artistas contemporâneos

 

Art Facts artfacts.net não** Ranking online de ca. 100.000 artistas internacionais, atualizados semanalmente;
pontuações de acordo com a presença em museus, exposições e galerias;
publicado anualmente na revista Capital; com banco de dados de preços de leilão
Art Report art-report.com não Ranking online de ca. 65.000 artistas internacionais; as pontuações dependem da presença
em exposições, rede e preços de leilão; dados sobre artistas individuais disponíveis
ArtReview artreview.com não Ranking das 100 personalidades mais influentes do mundo da arte (artistas, galeristas,
colecionadores, curadores, diretores de museus, teóricos etc.)
Trend- Kunstranking trend.at sim* Ranking dos 100 melhores artistas austríacos com base em uma
pesquisa entre especialistas
Bilanz-Künstler-Rating kunstforum.de sim* Ranking dos 20 artistas suíços mais importantes, selecionados
por um júri de 44 especialistas

“O preço representa o valor que uma obra tem no mercado. Uma obra artística muito boa pode, no entanto, ser invendável ou comercialmente inútil.”

 

3. Preço: bancos de dados e informações de compra

 

Artprice https://www.artprice.com/   Banco de dados com ca. 30 milhões de resultados de leilões e informações sobre 650.000 artistas; rankings de preços e volumes de vendas; várias ferramentas analíticas disponíveis.
Artnet http://www.artnet.com/   Banco de dados com ca. 10 milhões de resultados de leilões e informações sobre 320.000 artistas; mercado de arte online, representação de galerias e casa de leilões; notícias de arte.
Blouin Art Sales Index https://www.blouinartsalesindex.com/   Base de dados (fundada em 1922) com ca. 6 milhões de resultados de leilões de 500.000 artistas; classificação “100 melhores artistas”.
Sotheby’s-Mei-Moses-Index não da acesso ao publico geral   Base de dados com 45.000 obras vendidas no mercado secundário
várias vezes; atualmente disponível apenas para clientes da Sotheby's
ArtRank https://artrank.com/   Ranking trimestral de artistas com dicas para colecionadores (“compre agora”, “vender/pico” etc.), dependendo da presença, preços e saturação do mercado.

 


 

Estratégias de avaliação: seis resultados empíricos

O objetivo do estudo

Dada a complexa estrutura do mercado de arte contemporânea, várias perguntas sobre as estratégias dos participantes para coletando informações e avaliando a arte surgem:

  1. Quais fontes de informações que eles usam?
  2. Qual é o conceito subjacente de "valor"?
  3. Qual é o papel do preço?
  4. Como funciona na prática o processo de avaliação (“jornada da arte”)?
  5. Quais ferramentas de avaliação os especialistas preferem usar?

 

Grupos de entrevistados

grupos de entrevistados

Em 2017, um total de 127 especialistas do mercado de arte foram cuidadosamente selecionados e entrevistados sobre suas abordagens para reunir  informações do mercado de arte em um estudo exploratório. Os resultados aqui publicados foram obtidos com base nessa amostra. Os participantes foram: Internacionais: Quase dois terços dos especialistas entrevistados vieram da Alemanha e Áustria, com destaque para os EUA, França, Reino Unido e Holanda. No total, especialistas de 13 países diferentes participaram da pesquisa.

Demograficamente equilibrado: em 48% e 52%, respectivamente, homens e mulheres estavam quase igualmente representados. A idade variou entre 20 e 86 anos, sendo a média de 47 anos.

Diversos: Os participantes incluíram uma gama representativa de interessados de todo o mercado de arte. De negociantes de arte, galeristas, casas de leilões, colecionadores institucionais e privados a membros de sociedades de arte, jornalistas e acadêmicos e outros especialistas, como consultores de arte, seguradoras de arte e consultores financeiros. A proporção de galeristas, marchands e casas de leilões (44%) foi aproximadamente igual à de colecionadores institucionais e privados (43%).

 

Dispostos e capazes de gastar dinheiro com arte: 59% dos colecionadores de arte entrevistados tinham um orçamento anual de 30.000 euros ou mais para comprar arte; 11% podem tinham pelo menos 600.000 euros e 3% por um milhão de euros ou mais.

“A informação de preço reflete o valor econômico de uma obra de arte, não o valor ideal. Ambos os aspectos podem ser relevantes para determinar o valor de forma independente.”

 


 

1. Fonte central de informações: a Internet

O primeiro conjunto de perguntas da pesquisa se referia a como os participantes adquirem informações. A questão central era:

“Quais fontes de informação você usa para estar atualizado sobre o cenário da arte contemporânea?”

As opções de resposta variaram de mídia impressa, como revistas de arte e jornais, a contatos pessoais (ou seja, palestras de especialistas, visitas a exposições ou estúdios de artistas e fontes de informação digital, como sites ou mídias sociais).

Aprendemos que (salvo duas exceções), os especialistas usam uma seção transversal de fontes de informação com graus semelhantes de frequência.

A Internet é claramente a fonte de informação mais popular; a maioria dos participantes (87%) a utiliza frequentemente ou diariamente. Os entrevistados apontaram artnet.de, artsy.net, monopol-magazin.de, artprice.com, art magazin.de, e-flux.com e theartnewspaper.com como os sites mais importantes. Em contraste surpreendente, os especialistas só ocasionalmente visitam o estúdio de um artista em busca de informações reais. Outras fontes de informação mencionadas incluíam livros, rádio reportagens, podcasts, bancos de dados, newsletters (hyperallergic.com), conferências e visitas a galerias, feiras de arte e leilões.

 

Algumas diferenças entre os grupos de especialistas foram observadas:

• Mulheres e participantes mais jovens (com menos de 53 anos) usam as mídias sociais com mais frequência do que homens e participantes mais velhos.

• Negociantes de arte, galeristas, jornalistas e acadêmicos visitam estúdios de artistas com mais frequência do que colecionadores; as casas de leilões são os visitantes mais raros dos estúdios.

• Os galeristas e negociantes de arte usam revistas de arte e discussões com especialistas com uma frequência significativamente maior do que colecionadores.

 


 

2. Critérios-chave de valor: reputação e qualidade

Como os especialistas em arte avaliam as obras de arte? Eles se limitam apenas a critérios de qualidade ou são influenciados pela reputação e ruídos do mercado? Para esclarecer essa questão, os entrevistados foram convidados a julgar a relevância de 18 fatores que potencialmente influenciam o valor de uma obra de arte.

Os critérios que privilegiam a reputação e a qualidade artística são considerados particularmente importantes, com destaque para o artista, o vínculo afetivo com a obra, sua originalidade e perfil expositivo do artista comandando as quatro melhores pontuações.

Critérios de preço, como valor de mercado e resultados de leilões, ocupam a faixa intermediária, com questões de atualização, classificação de época, classificação de artistas e anos de treinamento na carreira. Descompacte esses números e você descobrirá que os vários grupos de especialistas divergem consideravelmente em relação ao julgamento dos critérios de valor:

Os compradores e colecionadores de arte institucionais e privados dão especial importância à originalidade da obra e ao estabelecimento de um vínculo emocional com ela. Eles colocam menos ênfase na “frescura do mercado”, proveniência, valor de escassez e valor de revenda da obra de arte e na idade do artista.

Os galeristas e marchands consideram o perfil expositivo de um artista como critério primordial, seguido pela originalidade do seu trabalho e o destaque geral do artista em terceiro lugar. Esse grupo coloca menos ênfase do que os colecionadores em um vínculo emocional e uma importância acima da média na idade do artista e nos critérios de mercado (como proveniência, frescor de mercado e valor de revenda).

As casas de leilões, sem surpresa,  consideram os resultados dos leilões particularmente relevantes. Além disso, dão importância acima da média ao critério de valor preço/valor de mercado.

Critérios de valor central: destaque do artista, vínculo emocional com a obra e sua originalidade

 


 

3. Decisões de compra: uma questão de qualidade

“O preço é a maneira mais fácil de determinar a qualidade da arte, mas não a melhor.”

Tranquilamente, qualidade e reputação ainda são considerados os critérios de avaliação mais importantes para a arte contemporânea. Mais de 90% dos entrevistados classificam fatores de reputação, como perfil da exposição, destaque e nome de um artista bem estabelecido, juntamente com fatores de qualidade, como vínculo emocional, valor de escassez e originalidade em termos de relevância para determinar o valor.

No entanto, uma divergência interessante desse resultado ocorreu quando os participantes foram questionados sobre sua última compra de arte:

“Ao lembrar da última vez que comprou uma peça da arte: quais foram os três fatores mais importantes na Processo de tomada de decisão?"

Nesse caso, os participantes afirmam principalmente aspectos subjetivos de qualidade:

57% dos entrevistados consideram importante a qualidade do trabalho (“qualidade estética”, “persuasão”, “autenticidade”, etc).

Os aspectos preço e reputação ocupam apenas o segundo e terceiro lugares (“bom preço”, “acessível”, “financeiramente viável” etc. são fatores identificados por 25% dos entrevistados).

A reputação do artista (“força na carreira”, “destaque do artista”, “status do artista” etc.) retornou apenas 18%. Colecionadores particulares e institucionais também consideram a galeria um fator importante em qualquer decisão de compra (“qualidade da galeria”, “envolvimento do galerista”).

Em termos gerais, os entrevistados consideram importantes os três critérios de valor – reputação, qualidade e preço. No entanto, quando se trata de comprar para si mesmos, eles geralmente são liderados principalmente por seu próprio julgamento de qualidade e gosto pessoal.

Os processos de compra reais são regidos por aspectos de qualidade

 


 

4. O preço não é igual ao valor

Outra questão diz respeito ao preço. Pedimos aos participantes uma breve declaração explicando o papel que a informação de preço desempenha na avaliação de uma obra de arte. Os resultados mostram que o preço de uma obra de arte pode ser interpretado de quatro maneiras bastante diferentes:

1. Os preços são a base de avaliação

Apenas cerca de 10% dos participantes, principalmente marchands, consideram o preço de uma obra como determinante para avaliar o seu valor. De um modo geral, essa atitude é capturada por declarações como “eu negocio com arte, portanto o preço é essencial”.

2. Os preços servem como orientação

Outros participantes veem o preço apenas como uma diretriz – notando criticamente que os não especialistas tendem a associar preços altos com alta qualidade (“diretriz importante para colecionadores que não têm a menor idéia”; “extremamente importante para muitas pessoas – quanto mais caro, melhor é a obra").

De forma reveladora, um participante virou essa crítica de cabeça para baixo, observando que “coisas que não custam nada não valem nada – infelizmente!”.

Os preços são importantes, mas não devem ser interpretados como o valor das obras de arte

3. Os preços criam mercados

Sem preço, sem mercado. Muitos especialistas concordam neste ponto, argumentando que “o mercado de arte não pode existir sem uma reflexão com os preços”; “ao entrar no mercado, o preço é apenas uma reivindicação”; “informações sobre preços significam que existe um mercado”.

4. Os preços não estão relacionados ao valor

Cerca de um quarto dos inquiridos salienta que o preço de uma obra de arte não tem qualquer relação com o seu valor artístico (“uma obra de arte muito boa pode ainda não ser comercializável ou não ter valor comercial”; “o preço não diz nada sobre o significado do conteúdo” ; “algumas artes contemporâneas vendem muito bem, mas o valor artístico delas, muitas vezes se aproxima de zero”).

Quanto maior a demanda, maior o preço – o preço fornece a informação sobre como os outros estimam a obra de arte.”

 


 

5. “Jornadas artísticas”: viagens individuais no escuro

O processo de avaliação de obras de arte é complexo e individual. Pesquisadores de comportamento de compra dividem esse processo

em três etapas:

Avaliação e busca de informações do processo de compra.

5.1) Busca de Informação:

  • Coleta de dados brutos (leilão preços etc)
  • Pesquisa (procedência, carreira do artista etc.)
  • Análises de mercado

5.2) Seleção:

  • Julgando estimativas de preços
  • Comparações de preços
  • Comparações com outras obras de arte

5.3) Avaliação

  • Julgando a condição, proveniência etc. da obra de arte
  • Informação pessoal
  • Julgamentos de qualidade

 

Na pesquisa atual do comportamento do comprador, esses processos são chamados de “jornadas do cliente” (é o que todos fazemos, toda vez que compramos aquele carro novo ou máquina de lavar).

Correspondentemente, os processos de avaliação de arte podem ser denominados “jornadas de arte”. Os participantes da pesquisa foram convidados a descrever as etapas individuais de suas jornadas artísticas pessoais em detalhes:

“O que você realmente faz ao avaliar ou comprar uma obra de arte?”

As respostas revelam que os itinerários variam muito entre grupos e indivíduos (com colecionadores particulares valorizando consideravelmente a reputação de suas galerias favoritas). Além disso, os especialistas não seguem necessariamente um curso linear, normalmente alternando entre as fases de busca, seleção e avaliação de informações. Há uma tendência comum, porém: 58% consideram a coleta de informações de preços como parte integrante do processo de avaliação.

 

1) Galerias e negociantes de arte

    1. Artista do programa da própria galeria?
    2. Se encaixa no programa?
    3. Preço favorável?
    4. O trabalho complementa o inventário?
    5. Revenda com lucro possível?
    6. Avaliação / decisão de compra

2) Casas de leilão

    1. Pesquisar preços de leilão
    2. Classificar o trabalho de acordo com seu rank
    3. Calcular preço de venda/valor de mercado
    4. Avaliação / decisão de compra

3) Colecionadores privados

    1. CV. do artista
    2. Qual galeria?
    3. Educação do artista
    4. Artista do programa da própria galeria?
    5. Comparações de preços em casas de leilões
    6. Colaboração da galeria com instituições públicas
    7. Avaliação / decisão de compra

4) Colecionadores de arte institucionais

    1. Primeira impressão pessoal
    2. Reflexão crítica via discussões + leitura
    3. Classificação da obra dentro da obra como um todo
    4. Revisão da primeira impressão
    5. Importância/contribuição para o debate artístico atual
    6. Avaliação / decisão de compra

5) Jornalismo / ciência da arte

    1. Informações sobre o artista
    2. Informações sobre a galeria
    3. Informações sobre exposições anteriores
    4. preço
    5. resenhas
    6. Avaliação / decisão de compra

6) Outros especialistas

    1. descoberta
    2. observação
    3. captura de informação
    4. entrar em contato com o artista
    5. Artista do programa da própria galeria?
    6. Negociar
    7. Avaliação / decisão de compra

Esses resultados sugerem que, dada a natureza opaca do mercado de arte, as jornadas de arte se assemelham a jornadas no escuro.

 


 

6. Ferramentas de avaliação: um caminho para a luz?

Avaliação de diferentes ferramentas de avaliação

 

“O preço é a maneira mais fácil de determinar a qualidade, mas não a melhor maneira.”

 

Como visto nas tabelas iniciais, existem muitas ferramentas de avaliação (principalmente na internet) para oferecer informações sobre obras de arte e orientação na avaliação.

Solicitados a avaliar sua importância, os entrevistados classificam melhor o Artnet e o Artprice. O ranking Kunstkompass, fundado em 1970, perdeu importância. Embora a maioria dos participantes esteja ciente dessas ferramentas de avaliação, apenas 46% realmente as utilizam em suas próprias avaliações.

A este respeito, há uma diferença marcante entre colecionadores de arte e marchands: os colecionadores consideram as ferramentas de avaliação mais importantes e as utilizam com mais frequência (com exceção do Artsy, preferido pelos galeristas).

53% de todos os colecionadores de arte privados e institucionais, e 39% dos galeristas e marchands avaliam a arte com a ajuda de ferramentas. Esse uso bastante cauteloso pode ser devido ao desconhecimento das respectivas ferramentas de avaliação, ou possivelmente à insatisfação, pois nenhuma ferramenta pode esperar atender a todas as expectativas da solução “ideal”.

Dado que diferentes partes interessadas têm prioridades conflitantes, cada um precisa selecionar as ferramentas que melhor atendem aos requisitos de sua “jornada” individual:

Os entrevistados em geral prefeririam uma ferramenta de avaliação com maior ênfase na qualidade (de obras de arte, exposições e museus expositores).

• Os galeristas gostariam de ver mais peso dado aos museus; colecionadores acham resenhas, prêmios e locais de exposição particularmente importante.

• Jornalistas e acadêmicos desejam mais ênfase em resenhas e locais de exibição; entrevistados de bancos e consultorias financeiras atribuem importância aos valores de revenda.

Resumindo: Qualquer ferramenta de avaliação que se especialize no fator qualidade tem um real potencial de mercado. Mas, dada a complexidade da questão da qualidade, construir um índice de arte desse tipo será um desafio genuíno. Após tudo isto ser dito, a intuição humana e a experiência dos conhecedores de arte podem permanecer a autoridade final sobre o valor da arte ...

Avaliação da arte: critérios entre fatos e índices

A pesquisa destacou o fato de que os participantes queriam, entre outras coisas, uma avaliação mais forte sobre a qualidade nos índices de arte. O que levanta a questão:

É mesmo possível?

Os algoritmos são fantasticamente bons em compilar, filtrar e avaliar dados quantitativamente, mas não podem começar a capturar ou avaliar as complexidades abstratas da qualidade.

E apesar de todas as suas proezas numéricas, eles não oferecem nenhuma visão sobre as camadas iconográficas de significado que definem a verdadeira relevância de uma obra de arte.

Isso requer ainda um olho humano. Como regra, a avaliação da arte é realizada por “cascata”, usando fatores mensuráveis ​​“hard”.

Estes incluem o número e a escala de menções na literatura e na imprensa, o “conteúdo” da obra a ser avaliada (incluindo a análise da orientação do conteúdo das publicações sobre as obras e o artista), e discussão da sua relevância em termos de história das ideias. Dentro dessas três categorias, o processo de avaliação se divide da seguinte forma:

 

1. Fatos “concretos” sobre a obra de arte

      • nome do artista
      • título do trabalho
      • método de produção
      • dimensões
      • assinatura para execuções: numeração ou especificações
      • data
      • dedicatórias / inscrições / etiquetas etc
      • Estado de conservação
      • autenticidade de proveniência
      • história de exposições
      • comentários sobre o histórico de mercado
      • literatura especializada

2. Critérios de conteúdo

      • assunto / tema
      • iconografia / especificamente na formulação da afirmação artística
      • histórico de recepção (é um tipo de história intelectual que investiga como as ideias ganham vida)
      • tipos e intenções de exposições

3. Relevância

      • o significado do trabalho na obra do artista
      • forma e estilo como uma expressão de conexão consciente com questões artísticas inatas, padrões, períodos ou círculos culturais
      • tocar em algumas ou muitas camadas de significado como uma expressão do exame de questões “extra-artísticas”
      • percepção do artista junto ao grande público e no cenário artístico.

Como mostram os critérios acima, a classificação de uma obra de arte em termos de preço necessita de análise caso a caso, que invariavelmente se estende a campos de exame intangíveis que não podem ser reduzidos a uma fileira de números.

Em linhas gerais, quanto menos formalmente mensurável um critério, mais ele revela sobre considerações iconográficas e iconológicas. Mas um especialista precisa considerar todo o espectro para chegar a uma visão completa da provável atratividade de uma obra no mercado de arte atual.

Inevitavelmente, a ponderação de critérios individuais pode flutuar, dependendo do observador. Mas o que mais importa é que cada um seja o mais objetivo possível, através do uso de comparação e categorização significativas.

A esse respeito, um índice baseado em algoritmo pode fazer muito: os dados sozinhos, por mais esclarecedores que sejam, nunca podem fornecer a imagem completa. Isso requer conhecimento especializado, com conhecimento contextual para considerar cada caso individual separadamente.

 

“Os preços são para orientação, não para apreciação.” (art dealer)

 

fonte: Fontes de informação e estratégias. Resultados de um estudo empírico internacional AXA ART Survey 2017